Porque os lixões precisam acabar e uma maneira eficaz de contribuir para isso!

O lixo é uma importante fonte de renda para inúmeras famílias no Brasil. 

De acordo com a Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS), os lixões deveriam ser erradicados em 2014

Porém a realidade não é essa:

  • 60% das prefeituras não cumpriram essa determinação, o que significa o descarte de 30 milhões de toneladas de resíduos em locais inadequados!
  • Para piorar a situação, nos últimos anos, a quantidade de lixo produzido no Brasil cresceu cerca de três vezes mais rápido que o número de habitantes.
  • Por fim, quase metade das cidades brasileiras não apresentam qualquer tipo de plano para o manejo e descarte do lixo.

Neste cenário, o governo estendeu para 2021 o prazo de erradicação dos Lixões, um grande desafio para os prefeitos recém empossados.

O descarte incorreto é fonte de problemas, muitos deles irreversíveis, em duas áreas em específico:

  • Meio ambiente e Saúde Pública
  • Cofres Públicos.

Como se sabe, descartar incorretamente resíduos em lixões pode desencadear sérios problemas ao meio ambiente, entre eles:

  • Contaminação do solo e lençol freático;
  • Produção de gases tóxicos;
  • Produção de mau cheiro;
  • Atração de animais que transmitem doenças.

Não bastasse isso, pessoas à margem da miséria e que sobrevivem recolhendo materiais recicláveis desses ambientes insalubres estão sujeitas a vários tipos de doenças provenientes da contaminação desses materiais descartados.

Por causa de uma gestão incorreta dos resíduos provenientes de lixões, em 2016 morreram 750 pessoas no mundo, o que viola as diretrizes de direitos humanos.

Assim, todos esses problemas geram gastos para os Cofres Públicos, entre custos para a reversão de danos ambientais e tratamento de problemas de saúde causados pelos resíduos nas pessoas, o prejuízo passa de RS 3,6 bilhões.

Apesar de todas as problemáticas, há falta de recursos municipais para elaboração de plano de gerenciamento de resíduos, mesmo sabendo que a erradicação dos lixões irá custar três vezes menos que o prejuízo anual causado pelo mau gerenciamento.

Segundo a Associação Brasileira de Empresas de Tratamento de Resíduos e Efluentes (ABETRE), é necessária a criação de 500 aterros sanitários para erradicar os lixões.

Atualmente, existem diversas alternativas para solucionar o problema das prefeituras com o Resíduo Sólido Urbano (RSU). 

Uma delas é a redução da umidade após a triagem, quando são removidos os resíduos de materiais que poderão ser reciclados (papelão, alumínio, vidro, plástico), com a Unidade Desagregadora e Desidratadora de Resíduos.

Assim, como saída, gerar o CDR (Combustível Derivado de Resíduo), que poderá  trazer retorno financeiro para o município. Para mais informações sobre a Unidade Desagregadora e Desidratadora de Resíduos clique aqui.

Cada ano em que adiamos a extinção dos lixões e não investimos em um gerenciamento inteligente de resíduos…

É mais um ano em que pagamos uma conta muito, muito cara.

Fonte:
https://www.pagina3.com.br/meioambien/2019/dez/11/1/descarte-errado-de-gordura-entope-a-rede-coletora 

Sobre a Gerais Solidificação
A Gerais Solidificação de Resíduos atua MUITOS ANOS nos seguimentos industrial e hospitalar com aplicações em solidificação de resíduos líquidos ou semissólidos diversos. A empresa Gerais, por ser uma empresa com foco na área ambiental, está sempre compromissada com a preservação do meio ambiente, fabricando produtos sustentáveis com tecnologia brasileira, visando a satisfação de seus clientes. Trabalhamos com os mais diversos hospitais, laboratórios e indústrias espalhados por todo o território nacional!

Para entrar em contato, envie-nos uma mensagem por Whatsapp:(11) 97041-0315. Alternativamente, ligue: (19) 3397-7702 ou envie um e-mail para vendas@geraissolidificacao.com.br

Economia Circular: uma nova maneira de olhar a cadeia produtiva

A Terra sempre se auto regula, não à toa, que estudamos vários ciclos como o da água, do nitrogênio e do carbono.

Com o desenvolvimento tecnológico feito pelo homem ao longo de milênios e, com maior crescimento após a 1ª Revolução Industrial, a Terra começou a lidar com um problema:

A poluição.

Lidamos com o lixo de uma maneira linear, em um processo que pode ser resumido em 3 etapas:

  • Extrair;
  • Produzir;
  • Descartar.

Além de toda situação se acumular no final do processo, há o problema de os recursos serem finitos.

Isso se deve à velocidade de geração dos recursos ser inferior à velocidade de produção.

Assim, uma hora esse sistema entrará em colapso!

Até 2050, a estimativa é de que iremos consumir 3 vezes a quantidade de recursos que a Terra produz.

Até lá, se não houver uma melhora tecnológica capaz de acelerar o processo de geração de recursos, haverá escassez no abastecimento das indústrias.

Como consequência a linha de produção será reduzida ou paralisada.

Outra falha grave neste sistema é o descarte que, muitas vezes, é feito de maneira incorreta.

Se um lixo contaminado já é preocupante devido à possíveis vazamentos para lençóis freáticos, por exemplo, em uma escala maior, o risco é potencializado.

É neste cenário, portanto, que surge um novo meio de se pensar a produção industrial:

A economia circular.

A economia circular é a forma de nos relacionarmos com meio ambiente, além de pensar no nosso futuro de nossos filhos e netos.

Assim surgem novos conceitos no processamento industrial:

  • Design regenerativo;
  • Economia de performance;
  • Cradle to cradle – do berço ao berço;
  • Ecologia industrial;
  • Biomimética;
  • Blue economy;
  • Biologia sintética.

Com a adição destes conceitos, o meio fabril muda totalmente a fim de otimizar toda a concepção do produto de forma extremamente inteligente.

Por exemplo:

  • Resíduos viram nutrientes em novos processos;
  • Produtos ou materiais são consertados.

A metodologia do modelo circular visa imitar justamente os processos da natureza.

Assim, no novo sistema, os fluxos materiais são classificados em dois tipos:

  • Nutrientes técnicos: projetados para retornar à cadeia produtiva;
  • Nutrientes biológicos: projetados para retornar à biosfera de forma segura.

Dados da revista Nature apontam que essa nova forma de nos relacionarmos com o meio produtivo gera alguns benefícios, como por exemplo:

  • Economia de recursos;
  • Economia de energia;
  • Empregos locais;
  • Redução em até 70% da emissão de gases nocivos;
  • Diminuição significativa de resíduos.

Portanto, a premissa principal é o retorno do objeto ou resíduo em algum momento da cadeia, ou devolvido de forma preservada ao ecossistema, transformando, o que era uma linha, em um processo mais complexo, porém muito mais ecológico.

Uma forma eficaz de reaproveitamento é por meio da desidratação dos resíduos.

A vantagem da desidratadora é que os resíduos entram com 4 toneladas/hora a uma umidade em torno de 60%, e obtém na saída 1 tonelada/hora com 20% de umidade, e com gasto de energia elétrica de 200 kWh.

Mudando, assim, vários resíduos em produtos ou subproduto, como por exemplo, RSU(Resíduo Sólido Urbano) em CDR(Combústivel Derivado de Resíduo); dejetos de frangos em adubos ou ainda cevada em ração animal.

As aplicações são inúmeras!

Com a utilização da UNIDADE DESAGREGADORA E DESIDRATADORA SIMULT NEA DE RESÍDUO é possível reduzir o volume de resíduos inicial, com a retirada da umidade, e com baixíssimo custo de energia.

Para cotar este equipamento, clique aqui.

A economia circular veio para ficar. É impossível mantermos o nível de consumo sem mudar a produção.

E essa nova estrutura é uma maneira inteligente de manter a economia aquecida, incentivando o consumo, ao mesmo tempo que se preocupa com o meio ambiente.

É uma proposta que mobiliza toda a cadeia produtiva para possibilitar um futuro mais limpo para nossos descendentes.

Para saber mais acesse as fontes:
https://www.ecycle.com.br/2853-economia-circular.html
https://www.ideiacircular.com/economia-circular/

Sobre a Gerais Solidificação
A Gerais Solidificação de Resíduos atua há mais de 7 anos no ramo hospitalar com aplicações em solidificação de resíduos corpóreos. Com sede em Minas Gerais, a Gerais está sempre compromissada com a preservação ambiental, fabricação de produtos sustentáveis com tecnologia brasileira, visando a satisfação de seus clientes. Trabalhamos com as mais diversas empresas do segmento industrial, espalhadas por todo o território nacional!

Para entrar em contato, ligue: (19) 3397-7702 ou envie um e-mail para vendas@geraissolidificacao.com.br