ANAHP Lança Observatório 2022

Ontem, 13/04/2022, foi lançado em evento online o Observatório Anahp 2022, considerado o principal anuário sobre Hospitais no Brasil.

A live, contou com as presenças do presidente do Conselho de Administração da Anahp , Eduardo Amaro, do diretor-executivo da Anahp ,  Antônio Britto e dos coeditores da publicação, Ary Ribeiro e André Medici, além da participação das pessoas que assistiram ao evento ao vivo.

Com o objetivo de debater sobre o mercado de saúde suplementar, falar sobre os indicadores que mostram o impacto da pandeia e suas consequências no setor de saúde, além de mostrar artigos e análises, o evento foi de grande importância para dar um complemento ao Observatório Anahp 2022.

Live de Lançamento Observatório Anahp 2022

A Gerais Solidificação de Resíduos, atenta ao mercado sempre exigente, desenvolveu produtos para solidificação de resíduos líquidos para atender a área hospitalar nos diversos setores e situações, de acordo com RDC 222/2018, tais como: resposta em situações de emergência (ex.: derrames), em frascos de aspiração (centros cirúrgicos), descarte de resíduos líquidos contaminados, setores de oncologia, caixas de químicos, caixas de perfurocortantes, medicamentos vencidos, laboratórios, entre outros, clique aqui para saber mais.

 

👉 O Observatório 2022 elaborado pela Anahp está disponível para download aqui em nosso site:

 

Capa do Observatório Anahp 2022

Observatório Anahp 2022.

 

Se preferir, você pode baixá-lo visitando o site informado abaixo.

 

Fonte: ANAHP

 

Sobre a Gerais Solidificação
A Gerais Solidificação de Resíduos atua MUITOS ANOS nos segmentos industrial e hospitalar com aplicações em solidificação de resíduos líquidos ou semissólidos diversos. A empresa Gerais, por ser uma empresa com foco na área ambiental, está sempre compromissada com a preservação do meio ambiente, fabricando produtos sustentáveis com tecnologia brasileira, visando a satisfação de seus clientes. Trabalhamos com os mais diversos hospitais, laboratórios e indústrias espalhados por todo o território nacional!

Para entrar em contato, envie-nos uma mensagem por Whatsapp:(11) 97041-0315. Alternativamente, ligue: (19) 3397-7702 ou envie um e-mail para vendas@geraissolidificacao.com.br

O que é Pegada de Carbono, sua importância nos Hospitais e uma maneira efetiva de reduzir esse número no seu Hospital

Pegada de Carbono é uma medida criada para calcular os impactos que uma pessoa, empresa, evento, entidade do governo ou produto causa no meio ambiente.

Para tanto, se calcula a quantidade de Gases do Efeito Estufa (GEEs) gerados por esse produto/individuo/entidade.

Assim, estabelecendo o quanto é gerado, pode-se, por meio de análise, descobrir o que faz os números serem expressivos ou não.

Um dos fatores que inflam os números de Pegada de Carbono é a geração de resíduo orgânico.

Sabe-se que, para cada quilo de lixo orgânico, são gerados 400 gramas de CO2.

Para um indivíduo, pode ser um valor razoável, mas se analisarmos um Hospital, os números, em um ano, podem ser assombrosos.

Em números médios, um hospital, no Brasil, tem em média 80 leitos (fonte ANAHP).

Estima-se que cada leito gera em média 4 quilos de Resíduos Serviço de Saúde (RSS), e 40% desses 4 quilos são resíduos orgânicos, chegamos à conclusão de que, por dia, são gerados 128 quilos de resíduos orgânicos, e consequentemente, 51,2 quilos de CO2.

Ou ainda…

18,7 toneladas de CO2 por ano!

Em um cenário nacional, com 6.300 hospitais (ANAHP), esse número se torna ainda maior:

117,7 mil toneladas por ano!

E como resolver esse problema?

A cada ano novas tecnologias surgem em todos os setores. No quesito sustentabilidade e tratamento de resíduos, a digestão do resíduo orgânico é uma das mais promissoras do mercado.

Com o equipamento ORCA, o resíduo orgânico é digerido, e é 100% transformado em água cinza, que pode ser descartada na rede coletora de esgoto, onde passará por tratamento ou reaproveitada para outros fins.

Além disso, a ORCA não gera odor, processa de 140 quilos a 1 tonelada por dia, funciona perto da fonte geradora dos resíduos e trabalha silenciosamente.

Dados: ANAHP

Sobre a Gerais Solidificação

A Gerais Solidificação de Resíduos atua MUITOS ANOS nos segmentos industrial e hospitalar com aplicações em solidificação de resíduos líquidos ou semissólidos diversos. A empresa Gerais, por ser uma empresa com foco na área ambiental, está sempre compromissada com a preservação do meio ambiente, fabricando produtos sustentáveis com tecnologia brasileira, visando a satisfação de seus clientes. Trabalhamos com os mais diversos hospitais, laboratórios e indústrias espalhados por todo o território nacional!

Para entrar em contato, envie-nos uma mensagem por Whatsapp:(11) 97041-0315. Alternativamente, ligue: (19) 3397-7702 ou envie um e-mail para vendas@geraissolidificacao.com.br

A importância das caixas de gorduras para o meio ambiente e a maneira mais eficaz de limpá-las

A importância das caixas de gorduras para o meio ambiente e a maneira mais eficaz de limpá-las

Tratar efluentes sempre é um desafio imenso. Há muitas substâncias ou materiais biológicos difíceis de serem tratados.
O descarte deste tipo de material na rede coletora de esgoto pode ocorrer pelas indústrias, hospitais, restaurantes e até mesmo em nossas casas.

Para evitar maiores problemas com o descarte do material orgânico no esgoto doméstico, a ABNT, por meio da NBR 8160, nos instrui para a construção de um sistema de retenção de gorduras, popularmente denominada caixa de gordura.

Mas afinal qual a importância e porque devemos nos atentar ao descarte correto?

Antes, porém, é preciso entender o funcionamento dela. A caixa é nada mais que um reservatório acoplado à tubulação de descarga do líquido da pia da cozinha, por onde a gordura se concentra. Conforme acontece o acúmulo do material orgânico com a gordura, esta mistura começa a ficar mais pastosa, se tornando um semissólido.

Partindo da premissa que o descarte de 1 litro de óleo na pia contamina ao menos 25 mil litros de água dos rios, esse mecanismo evita com que esses contaminantes caiam diretamente na rede de esgoto e, assim, reduz a contaminação, o que facilita a companhia de tratamento de água no tratamento de efluentes do município/estado, contribuindo assim para o meio ambiente.

Como as caixas de gorduras são concentradores desses materiais orgânicos, é necessária limpeza periódica, contudo essa mistura de material orgânico+óleo que sobra das limpezas, no estado semissólido, deve ser descartado de maneira correta e não pode voltar para a rede coletora de esgoto devido problemas como, por exemplo, o entupimento.

Uma forma eficaz, correta e de baixo custo de limpeza, e que também facilita no descarte é a solidificação com o produto Ultra Solid® do material semissólido proveniente das caixas, reduzindo o odor e encapsulando o material orgânico.

Após o procedimento, a pessoa responsável pela limpeza ganha mais opções tanto na retirada, quanto no descarte do material, que poderá ser em sacos para lixo comum separado dos recicláveis.

Fonte:
https://www.pagina3.com.br/meioambien/2019/dez/11/1/descarte-errado-de-gordura-entope-a-rede-coletora

Sobre a Gerais Solidificação
A Gerais Solidificação de Resíduos atua MUITOS ANOS nos seguimentos industrial e hospitalar com aplicações em solidificação de resíduos líquidos ou semissólidos diversos. A empresa Gerais, por ser uma empresa com foco na área ambiental, está sempre compromissada com a preservação do meio ambiente, fabricando produtos sustentáveis com tecnologia brasileira, visando a satisfação de seus clientes. Trabalhamos com os mais diversos hospitais, laboratórios e indústrias espalhados por todo o território nacional!

Para entrar em contato, envie-nos uma mensagem por Whatsapp:(11) 97041-0315. Alternativamente, ligue: (19) 3397-7702 ou envie um e-mail para vendas@geraissolidificacao.com.br

7 medidas que ajudam no descarte correto do lixo residencial infectante.

A Pandemia do Coronavírus (COVID-19) perdura por um longo tempo aqui no Brasil.
Pessoas não ligadas à área da saúde, não acostumadas à rigidez do processo de limpeza hospitalar, não sabem ou ficam perdidas em relação ao descarte de material possivelmente contaminado.
A dúvida surge tanto para aqueles que se protegem, para que não sejam infectados pelo vírus, quanto para aqueles que estão contaminados e querem proteger todos ao seu redor.
As pessoas que já se infectaram, em particular, devem redobrar o cuidado, pois qualquer vacilo é porta de entrada para uma contaminação massiva.
Outro ponto que reforça a preocupação, é a de que não sabemos quase nada a respeito de todo o processo que nosso lixo passa, desde a saída de casa até a chegada à aterros sanitários, e um lixo infectante mal sinalizado pode causar um efeito dominó em toda a rede de colaboradores da coleta de lixo.

Segundo Felipe Medeiros, médico residente em infectologia do HC, em matéria para o R7, não há uma maneira específica para se fazer o descarte desse material, mas há sim algumas medidas que podem ajudar o não espalhamento da doença pelo lixo.

Listamos abaixo, 7 medidas que ajudam no descarte correto do lixo infectante:

  • Separar o lixo Orgânico e Reciclável em sacos diferentes;
  • Envolver lixo infectante (ou suspeito de ser infectante) em 2 sacos;
  • Lacrar e identificar o lixo infectante em papel adesivo ou sinalização similar;
  • CUIDADO! Não usar grampeador, qualquer furo no saco de lixo infectante é porta de saída do vírus, use sempre material adesivo no lugar;
  • FITA VERMELHA: Colaboradores da coleta orientam para que o lixo infectante seja envolvido em uma fita vermelha, para ajudá-los no reconhecimento deste tipo de lixo;
  • Descarte sempre o lixo infectante em horários próximos aos da coleta para evitar que o lixo fique exposto por muito tempo na rua;
  • Não lote o saco de lixo infectante, opte por dividir em mais sacos para facilitar o fechamento, e para evitar rasgos devido à excesso de peso;
  • Máscaras, luvas e outros materiais descartáveis, mesmo não estando infectados, devem ser sempre descartados e identificados em sacos duplos de lixo, obedecendo aos mesmos procedimentos para lixos infectantes;

 

O descarte deve ser, preferencialmente, feito por uma pessoa saudável, para não infectar a parte exterior do lixo. Todos esses procedimentos são muito semelhantes ao descarte do lixo infectante hospitalar.
Por exemplo, recomenda-se a solidificação de resíduos com o solidificador de resíduos Ultra Solid SSI® para o caso de derramamento de líquidos infectantes como vômitos, fezes, urina, entre outros.
Esse tipo de procedimento evita que, em possíveis acidentes, o material contaminado não vaze e contamine outros ambientes e pessoas.
Como diz o ditado, em se tratando de Pandemia, todo cuidado é pouco e descartar o lixo residencial de forma segura é uma importante maneira de conter o vírus.

Fontes:

Sobre a Gerais Solidificação
A Gerais Solidificação de Resíduos atua MUITOS ANOS no ramo hospitalar com aplicações em solidificação de resíduos corpóreos. A empresa Gerais, por ser uma empresa com foco na área ambiental, está sempre compromissada com a preservação do meio ambiente, fabricando produtos sustentáveis com tecnologia brasileira, visando a satisfação de seus clientes. Trabalhamos com os mais diversos hospitais e laboratórios espalhados por todo o território nacional!

Para entrar em contato, ligue: (19) 3397-7702 ou envie um e-mail para vendas@geraissolidificacao.com.br

Economia Circular: uma nova maneira de olhar a cadeia produtiva

A Terra sempre se auto regula, não à toa, que estudamos vários ciclos como o da água, do nitrogênio e do carbono.

Com o desenvolvimento tecnológico feito pelo homem ao longo de milênios e, com maior crescimento após a 1ª Revolução Industrial, a Terra começou a lidar com um problema:

A poluição.

Lidamos com o lixo de uma maneira linear, em um processo que pode ser resumido em 3 etapas:

  • Extrair;
  • Produzir;
  • Descartar.

Além de toda situação se acumular no final do processo, há o problema de os recursos serem finitos.

Isso se deve à velocidade de geração dos recursos ser inferior à velocidade de produção.

Assim, uma hora esse sistema entrará em colapso!

Até 2050, a estimativa é de que iremos consumir 3 vezes a quantidade de recursos que a Terra produz.

Até lá, se não houver uma melhora tecnológica capaz de acelerar o processo de geração de recursos, haverá escassez no abastecimento das indústrias.

Como consequência a linha de produção será reduzida ou paralisada.

Outra falha grave neste sistema é o descarte que, muitas vezes, é feito de maneira incorreta.

Se um lixo contaminado já é preocupante devido à possíveis vazamentos para lençóis freáticos, por exemplo, em uma escala maior, o risco é potencializado.

É neste cenário, portanto, que surge um novo meio de se pensar a produção industrial:

A economia circular.

A economia circular é a forma de nos relacionarmos com meio ambiente, além de pensar no nosso futuro de nossos filhos e netos.

Assim surgem novos conceitos no processamento industrial:

  • Design regenerativo;
  • Economia de performance;
  • Cradle to cradle – do berço ao berço;
  • Ecologia industrial;
  • Biomimética;
  • Blue economy;
  • Biologia sintética.

Com a adição destes conceitos, o meio fabril muda totalmente a fim de otimizar toda a concepção do produto de forma extremamente inteligente.

Por exemplo:

  • Resíduos viram nutrientes em novos processos;
  • Produtos ou materiais são consertados.

A metodologia do modelo circular visa imitar justamente os processos da natureza.

Assim, no novo sistema, os fluxos materiais são classificados em dois tipos:

  • Nutrientes técnicos: projetados para retornar à cadeia produtiva;
  • Nutrientes biológicos: projetados para retornar à biosfera de forma segura.

Dados da revista Nature apontam que essa nova forma de nos relacionarmos com o meio produtivo gera alguns benefícios, como por exemplo:

  • Economia de recursos;
  • Economia de energia;
  • Empregos locais;
  • Redução em até 70% da emissão de gases nocivos;
  • Diminuição significativa de resíduos.

Portanto, a premissa principal é o retorno do objeto ou resíduo em algum momento da cadeia, ou devolvido de forma preservada ao ecossistema, transformando, o que era uma linha, em um processo mais complexo, porém muito mais ecológico.

Uma forma eficaz de reaproveitamento é por meio da desidratação dos resíduos.

A vantagem da desidratadora é que os resíduos entram com 4 toneladas/hora a uma umidade em torno de 60%, e obtém na saída 1 tonelada/hora com 20% de umidade, e com gasto de energia elétrica de 200 kWh.

Mudando, assim, vários resíduos em produtos ou subproduto, como por exemplo, RSU(Resíduo Sólido Urbano) em CDR(Combústivel Derivado de Resíduo); dejetos de frangos em adubos ou ainda cevada em ração animal.

As aplicações são inúmeras!

Com a utilização da UNIDADE DESAGREGADORA E DESIDRATADORA SIMULT NEA DE RESÍDUO é possível reduzir o volume de resíduos inicial, com a retirada da umidade, e com baixíssimo custo de energia.

Para cotar este equipamento, clique aqui.

A economia circular veio para ficar. É impossível mantermos o nível de consumo sem mudar a produção.

E essa nova estrutura é uma maneira inteligente de manter a economia aquecida, incentivando o consumo, ao mesmo tempo que se preocupa com o meio ambiente.

É uma proposta que mobiliza toda a cadeia produtiva para possibilitar um futuro mais limpo para nossos descendentes.

Para saber mais acesse as fontes:
https://www.ecycle.com.br/2853-economia-circular.html
https://www.ideiacircular.com/economia-circular/

Sobre a Gerais Solidificação
A Gerais Solidificação de Resíduos atua há mais de 7 anos no ramo hospitalar com aplicações em solidificação de resíduos corpóreos. Com sede em Minas Gerais, a Gerais está sempre compromissada com a preservação ambiental, fabricação de produtos sustentáveis com tecnologia brasileira, visando a satisfação de seus clientes. Trabalhamos com as mais diversas empresas do segmento industrial, espalhadas por todo o território nacional!

Para entrar em contato, ligue: (19) 3397-7702 ou envie um e-mail para vendas@geraissolidificacao.com.br