Foto 1 Foto 1 Foto 2 Foto 1 Foto 3 Foto 4
Custo hospitalar de infectados da Covid supera R$ 3 bi, diz estudo.
Um estudo organizado pela Planisa, apontou que cerca de 3,1 Bilhões de reais foram destinados aos custos como: leitos, respiradores, estadia, custos com médicos, enfermeiras, materiais de limpeza, medicamentos, equipamentos de proteção individual...
 

Os custos que a pandemia irá causar ao planeta são extremamente altos, se dando nas mais variadas camadas e esferas da sociedade. Houveram drásticas mudanças comportamentais, sociais, institucionais e economicamente não tem como ser diferente.

O Brasil acabou por se tornar, por variados motivos, o novo epicentro global da doença, com superlotamento de hospitais, criação de hospitais de campanha, números cada dia crescentes de infectados, atingindo a marca de 1,37 milhão, e de mortos, que passamos de 58 mil, e os custos dos hospitais para cuidar de tantos casos foi alarmante.

Um estudo organizado pela Planisa - referência em gestão de resultados da área da saúde - em doze hospitais brasileiros, dentre eles, públicos, privados e filantrópicos, que disponibilizaram unidades para atendimento à pacientes da Covid-19, no período de abril a maio, apontou que cerca de 3,1 Bilhões de reais foram destinados aos custos como: leitos, respiradores, estadia, custos com médicos, enfermeiras, materiais de limpeza, medicamentos, equipamentos de proteção individual (EPI’s), serviços, etc.


Marcelo Canielo, diretor técnico da Planisa e especialista em gestão de custos hospitalares, em entrevista à MEDICINA S/A, disse que há variações  de custos das diárias hospitalares, que são complexidade, ocupação e pessoal. Em hospitais cujo atendimento consegue dar conta de pacientes mais complexos, o custo unitário da diária é maior do que em hospitais que atendem casos mais simples. 


Neste caso, o consumo de medicamentos e materiais hospitalares são os principais responsáveis no aumento destes custos. Já em hospitais com grande volume assistencial que atendem próximo de sua capacidade instalada, o custo unitário é menor do que em hospitais que têm baixo volume de produção. 

“O custo fixo alto, normalmente presente nos hospitais, torna indispensável a utilização da capacidade instalada. Essa variável é a principal justificativa de custos unitários de diárias elevados nos hospitais; ao contrário do que imaginamos, temos muitos hospitais ociosos, principalmente os hospitais de pequeno porte, que representam a maioria dos hospitais brasileiros”, fala Carnielo. 


No estudo da Planisa, o custo médio de diária em unidade de internação não crítica com paciente Covid-19 foi R$ 1.400, com taxa de ocupação média de 50%; enquanto em unidades de internação crítica adulto (UTI), o custo médio foi R$ 2.452, com taxa de ocupação média de 67%.


A Gerais Solidificação oferece soluções que ajudam a minimizar estes custos fixos intermediários, relacionados à higienização e limpeza das áreas comuns, UTIs e salas cirurgicas em hospitais. Conheça os solidificadores de resíduos hospitalares ULTRA SOLID® SSI, e ULTRA SOLID® CÁPSULA.


Leia a matéria completa na fonte: https://medicinasa.com.br/planisa-drg-custos/






A presente publicação possui caráter exclusivamente informativo, não contém qualquer opinião recomendação ou aconselhamento legal da Gerais Solidificação a respeito dos temas aqui abordados.


GERAIS SOLIFICAÇÃO DE RESÍDUOS.
Av. Dep. Renato Azeredo, 3795
Três Corações / MG
CEP.: 37.410-000

FALE CONOSCO
A Gerais Tecnologia e Soluções está ao seu inteiro dispor. Temos imensa satisfação em receber o seu contato.
Tel.: +55 (Brasil)
19 3397-7702
Email:
vendas@geraissolidificacao.com.br

Copyright © 2013 by GERAIS SOLIFICAÇÃO DE RESÍDUOS ® Todos os direitos reservados
Webdesign: EROS DIGITAL